terça-feira, 29 de julho de 2014

Fatos reais

Acho que devemos saber....



Graças às escavações de Jeanine Davis-Kimball e Joachin Burguer, na região da Mongólia, arqueólogos e historiadores atuais enxergam no mito das amazonas razões científicas para acreditar que elas de fato existiram. E ainda que deixaram descendentes. Nestas escavações, foram desenterrados restos humanos conservados de várias tumbas de um cemitério, ao sul da Rússia. Junto aos corpos de mulheres, havia artefatos bélicos (pontas de lanças, adagas) e joias ornamentais; até mesmo um espelho e uma estatueta de uma Deusa, o que significava que entre mulheres guerreiras, havia sacerdotisas de suma importância. No entanto foram encontrados, também, tumbas de homens com bebês, o que indica que atividades como cuidar de crianças eram atribuídas aos homens, enquanto as mulheres saiam ao combate. Isso prova que existiu, de fato, sociedades matriarcais com mulheres guerreiras.
Jeanine Davis-Kimball, não satisfeita apenas com esta constatação, recolheu amostras de DNA dos restos mortais das guerreiras encontradas nas tumbas (muitas estavam com as pernas arqueadas, sinal que cavalgavam) e resolveu analisar. Levando em conta o que dizia a lenda das amazonas descrita por Heródoto e outros historiadores, ela foi em busca dos mongóis, um povo que poderia descender de alguma amazona, e encontrou uma garota alta com cabelos louros e olhos cor de mel, características físicas semelhantes às das amazonas, segundo os historiadores. Recolheu uma amostra do DNA dessa garota mongol e o resultado foi surpreendente: era o mesmo da guerreira da tumba. Jeanine Davis Kimball acabara de encontrar uma descendente das famosas guerreiras amazonas.

Amazonas das montanhas é uma obra de ficção inspirada em tais guerreiras.

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Em um dia frio, lá atrás....





Dando uma parada para tentar encher o pulmão naquele ar rarefeito, a jovem Kíria envergou as costas para trás, depois jogou o corpo para frente, apoiando as mãos logo acima dos joelhos, em pernas longas que pareciam querer se dobrar. Os cabelos pretos lhe caíram na face e ela os manteve assim, enquanto procurava alguns minutos de sensatez.
         _Você está indo bem... Se conseguirmos manter esse ritmo, chegaremos antes da noite cair... – disse a grande mulher de olhos enviesados. Sua nova e única amiga, Lince, era uma indígena a quem estava confiando plenamente ao se embrenhar nessas montanhas gigantescas e desertas em busca de uma lenda.
         _Sim... Vamos! – Kíria tirou os cabelos do rosto e endireitou o corpo. Sentia uma ânsia incontrolável em chegar o mais rápido possível.
         Mas a caminhada era dura. O sol, já quase a se pôr, transformava suas sombras em criaturas monstruosas.  Pareciam se misturar com o formato das montanhas. Os passos eram muitos, longos, pesados.
         O tom do céu mudou. Do azul passou ao vermelho e ao roxo, onde uma estrela apareceu. Sua beleza e brilho atraíram o olhar de Kíria, que se deixou ficar contemplando aquela maravilha celeste. Sem dúvida, seria um sinal.
         _Abaixe os olhos da estrela, Kíria... Estamos diante de nossa morada. Morada das filhas da Deusa Guerreira.
         Engolindo em seco, Kíria obedeceu. E então seus olhos cinzentos demoraram a acreditar no que via. Em meio àquelas montanhas imponentes e ameaçadoras, havia um minúsculo altiplano arredondado, com uma casa redonda ao centro, rodeada por casas menores, mas também redondas, formando um círculo... Uma aldeia!
Não soube precisar quanto tempo ficara ali, nem o que se passara na sua cabeça naquele momento. Sentiu lágrimas lhe aflorarem os olhos e fechou-os.
         _Vamos, Kíria... - Lince parou de falar quando percebeu que uma presença sorrateira se aproximava. Certamente seria alguém da vigília. Mas, antes que concluísse seu pensamento e avisasse Kíria, um vulto de cabelos vermelhos pareceu fazer um rodopio no ar. Diante delas, caía em pé, depois de um salto mortal, uma belíssima jovem de cabelos ruivos e roupas negras.
         _Enfim retornas, conselheira Lince... – A ruiva, recém chegada de forma inusitada, pousou tranquilamente as mãos na cintura e passou seus olhos verdes de Lince para Kíria. Encarou-a. Sustentou-a com o olhar e depois invadiu a imensidão cinza. – Quem é?
         _Ela é Kíria... Tenho fortes indícios para acreditar que se trata de uma de nós. Falou Lince, perplexa com o olhar terrível de Diouxie.
         Kíria sustentou o olhar, no entanto sentiu-se cambalear. Como a provar algo, respirou fundo e manteve-se firme, também invadindo o olhar que lhe desafiava.
         _Kíria? Você é bela, apesar de estar fraca e abatida... – Diouxie deu um passo em direção a Kíria, que, como esperava, não recuou. Foi com ar muito sério que perguntou: - Já matou?
         _Já... – Kíria respondeu com tranquilidade. Quem seria essa garota petulante que atravessava seu caminho. Ela estava cansada.
         _Princesa Diouxie, Kíria precisa de cuidados...
         Kíria acabava de ter sua resposta. A princesa dos cabelos vermelhos virou-se para Lince e, com o olhar fulminante, avisou:
         _Não me chame de princesa, Lince... Sou uma guerreira... A maior que essa Nação haverá de ver... – sorriu e voltou a olhar para Kíria: - Depois conversaremos... – Antes de dar as costas às duas, ainda pediu à Lince: - Leve-a para minha mãe, Lince...
         E Kíria foi caminhando em direção ao centro daquela aldeia. Alguns olhares paravam nelas. Mulheres, garotas, velhas. Tudo muito diferente. E naquele momento iria ver a rainha! Precisava saber sobre seu destino. Sua vida estaria nas mãos da autoridade máxima daquele lugar sagrado.

         

sexta-feira, 4 de julho de 2014

BIENAL 2014

Bienal 2014, simplesmente incrível!!
Pessoas especiais!
Exemplares esgotados no dia!